Entrevista Especial com DENISE EMMER - Parte 1

 

 

Hoje entrevisto uma artista com múltiplos talentos, ela é escritora, poeta, compositora, cantora, violoncelista e ainda escaladora de montanhas nas horas vagas. Com tanto talento assim só poderia mesmo ser filha dos grandes autores Dias Gomes e Janete Clair. Embora tenha essa invejável filiação, ela nunca pensou em seguir a profissão dos pais, mesmo com sua mãe tentando, inutilmente, que ela desenvolve-se alguns diálogos de sua novela, nem assim ela cedeu. Mas tem algo que ela herdou desses grandes autores de nossa teledramaturgia, o talento. Agora em Abril ela lançará a coleção de poesias ASSOMBROS & PERDIDOS, pela Editora 7 Letras. Minha “Entrevista Especial” de hoje é com DENISE EMMER.

 

 

Sou muito livre na minha criação, e não tenho muito controle sobre ela, que vem quando quer e como quer”. 

 

(Denise Emmer)

 

Jéfferson Balbino: É verdade que você começou a compor aos 10 anos de idade? Como aconteceu essa primeira composição?

Denise Emmer: Comecei a estudar piano com sete anos e tinha um ouvido musical privilegiado. Tirava as músicas que gostava e descobria acordes. Daí a inventar melodias foi um pulo, um processo natural. Precisar a minha primeira composição fica difícil em meio a tantas invenções infantis, embora considere a primeira música aquela que compus com letra. Chama-se: “Ao dia que vai nascer”. Termina com uma interrogação: “Qual o dia que vai nascer?” Na época vivíamos a guerra fria, a incerteza do amanhã. É extremamente pessimista para uma menina.

 

Jéfferson Balbino: Você iniciou sua carreira literária com o livro “Geração Estrela” (1975). Como foi escrever esse livro em plena adolescência?

Denise Emmer: Ao mesmo tempo em que compunha canções, escrevia poesia. Entretanto, separava bem o que era letra de música e o que era poema. O poeta Moacyr Félix leu meus versos e disse ao meu pai que ele tinha uma filha poeta. Ele, Moacyr, reuniu meus poemas e os publicou então pela Editora Paz & Terra, da qual era o editor. O título é tirado de um dos poemas. Eu era muito jovem, e não alcançava a dimensão de publicar um livro.

 

 

Jéfferson Balbino: O fato dos seus pais serem escritores foi o que ocasionou você a seguir essa carreira?

Denise Emmer: A carreira de musicista certamente que não. O gene da música, que aflorou na primeira geração (eu e meus irmãos), veio de algum antepassado que desconhecemos. Presumo que do lado materno. Ressalvo que a segunda geração, a maioria dos nossos filhos, carrega esse dom. Quanto á vocação literária foi uma manifestação espontânea que, como já relatei, teve início na tenra idade e evoluiu naturalmente para a poesia Entretanto, a atmosfera da literatura, o convívio com grandes escritores (meus pais inclusive) contribuíram em muito como papel de incentivo.

 

Jéfferson Balbino: Sua filiação é invejada por todos, afinal, seus pais (Janete Clair e Dias Gomes) são a referência soberana da teledramaturgia brasileira. Você nunca teve vontade de se enveredar pela carreira de novelista?

Denise Emmer: Não. Não. Minha mãe até que tentou dando-me alguns diálogos para que eu desenvolvesse, e propositadamente eu escrevi tudo em rimas, saindo do tema proposto e carregando nas metáforas. Fiz isso para que ela desistisse de vez. E foi o que aconteceu. Disse para meu pai: “Ela é poeta, Dias. Não tem jeito...”

 

Jéfferson Balbino: Cada vez que eu acesso seu blog (http://deniseemmergerhardt.blogspot.com/) eu fico maravilhado com suas poesias. Qual é a sua fonte de inspiração pra criar tantas poesias lindas que tocam em nossa alma?

Denise Emmer: A fonte está na vida. Nos descaminhos, nas surpresas. Na perplexidade do mundo como um eterno desvelar. Na beleza assombrosa da natureza com suas estrelas, montanhas e águas. No sofrimento. A fonte estará tanto no nascimento quanto na morte. E, sobretudo, no amor com suas inúmeras matizes.

 

Jéfferson Balbino: Qual dos seus livros foi mais trabalhoso pra escrever?

Denise Emmer: Acho que Memórias da Montanha foi o mais difícil porque prescindia de um realismo que eu jamais tive que seguir. Na poesia eu me presenteio com asas, e nos dois romances que escrevi O Insólito Festim e O Violoncelo Verde, inventei destinos, comandei personagens no ritmo do meu imaginário. Em Memórias, tive que seguir uma cronologia real, fatos e situações ocorridas no passado. Mesmo assim, romanceei essa memória para torná-la mais atraente para mim e para o leitor.

  

Jéfferson Balbino: Como foi ser assistente do Walter Blanco na produção das trilhas sonoras da TV Globo?

Denise Emmer: Foi um grande aprendizado. Como assistente de Waltel Blanco, fiz um dos melhores cursos de produção musical para trilhas. Waltel é um músico e produtor surpreendente. Com a simplicidade característica dos gênios, ele era capaz de escrever um arranjo complexo e belo para orquestra em menos de uma hora, em meio ao burburinho de uma sala de trabalho! 

 



Escrito por jéfferson às 18h05
- Comente aqui


Deixe o seu comentário.





Entrevista Especial com DENISE EMMER - Parte 2

 

 

Jéfferson Balbino: Que experiência você adquiriu como cantora integrando o grupo “Trovarte”?

Denise Emmer: O Grupo Trovarte, integrado por Ludmila Plitek no violino, Ivan Niremberg na viola, Beto Resende no violão e eu no canto, cello e percussão, era de uma originalidade ímpar. Mesclava com charme o erudito e o popular, com os arranjos de Alexandre Schubert e composições de autores barrocos tais como  Monteverdi e Jonh Dowland. Creio que nessa época eu atingi o ápice da potencia vocal. Em contra partida foi o lento início do declínio de minha voz, devido a uma grave infecção na garganta quando tive que cantar dopada de antibióticos, própolis e pastilhas. No CD que gravei anos depois, (Mapa das Horas) a minha voz já não era a mesma. Penso que foi essa uma das razões que me levaram a tocar violoncelo. 

 

Jéfferson Balbino: Como é a responsabilidade de ser violoncelista da Orquestra Rio Camerata?

Denise Emmer: Sou uma musicista aplicada e consciente. Procuro dar o melhor de mim na orquestra, estudando as partes, aperfeiçoando a afinação. Mas, a grande responsabilidade é a de ser líder de naipe, porque não posso errar. Além de marcar as arcadas, ligaduras e observações, toco os solos indicados na partitura. Contudo, a maior alegria é ouvir ao final de cada conserto os aplausos entusiasmados do público. A depender da intensidade destes, sabemos se agradamos. (risos)

 

Jéfferson Balbino: Voltando pra sua carreira literária, seus livros foram prefaciados por grandes personalidades, entre eles: Sérgio Viotti, Ivan Junqueira e a grande escritora Rachel de Queiroz. O que você diz desses prefaciadores ilustres?

Denise Emmer: Foi uma grande honra e prova de reconhecimento do meu trabalho ter sido prefaciada por esses grandes escritores. Sergio Viotti, o nosso “Sir” excelente ator e autor de romances profundos. Ivan Junqueira, hoje um dos maiores poetas brasileiros e Rachel de Queiroz, expoente de toda a literatura de língua portuguesa. Curvo-me aos três em reverência, como discípula e pretensa seguidora. 

 

Jéfferson Balbino: Seus trabalhos recebem excelentes criticas. Público e crítica chegam a interferir nos rumos dos seus trabalhos?

Denise Emmer: Influência na direção do que pretendo escrever, diria que não. Sou muito livre na minha criação, e não tenho muito controle sobre ela, que vem quando quer e como quer. Não decido quando vou escrever um poema. Ele chega e eu passo para o papel. Tenho que admitir, contudo, que a boa resposta da crítica e do leitor enche-me de “gás.” É como dizia a saudosa Rachel de Queiroz... “eles vão dando corda pra gente...”

 

Jéfferson Balbino: Atualmente eu estou escrevendo minha monografia, e estou percebendo como deve ser árduo o trabalho de um escritor (risos). Como é o processo de criação de um livro?

Denise Emmer: Árduo e sistemático no que diz respeito ao romance. E, livre e intenso quando se trata de poesia. Digo, no meu caso. Cada criador terá seu próprio processo, regras e até manias. Eu, por exemplo, quando estou escrevendo, distancio-me da música. Ora sou poeta, ora sou musicista. Não sei se deu pra entender. É como se eu tivesse várias denises dentro de mim. Até o meu comportamento se modifica a depender da Denise que vem (risos)...

 

Jéfferson Balbino: Agora em Abril você lançará seu novo livro pela Editora 7 Letras. O que você pode nos adiantar sobre esse novo trabalho?

Denise Emmer: Bem, é uma coletânea de poesia intitulada ASSOMBROS & PERDIDOS. É o meu 15º livro e nele a natureza é presente, objeto de expressão do mundo como território da palavra. As perdas, os desastres e os sonhos misturam-se com as marés e vertentes de montanhas. Na primeira seção, batizada de Geografia dos Sinos, há oito poemas sobre montanhas, umas tão próximas como o Pão de Açúcar, outras longínquas como o Everest. Já no poema Assim Falam as Tormentas, eu conto em versos como foi atravessar um ciclone em alto mar a bordo de um Cruzeiro. Em resumo, são 35 poemas em 80 páginas.

 

Jéfferson Balbino: Como escritora, você já recebeu diversos prêmios notórios da literatura brasileira. Como é a sensação de ter o reconhecimento do seu trabalho?

Denise Emmer: É a quase certeza de estar no caminho certo, sem, contudo, perder a humildade. E também o sentimento do grande desejo de prosseguir nesta jornada que é contraditoriamente árdua e atraente. 

 



Escrito por jéfferson às 17h59
- Comente aqui


Deixe o seu comentário.





Entrevista Especial com DENISE EMMER - Parte 3

 

 

Jéfferson Balbino: Recentemente você me contou que adora escalar montanhas. Como você descobriu esse hobby?

Denise Emmer: Descobri aos dezesseis anos de idade quando, sem qualquer experiência, tentei escalar a Agulhinha da Gávea e caí 20 (vinte) metros. Apesar do acidente, continuei a escalar montanhas, e fiz desse o meu esporte e filosofia de vida.

 

Jéfferson Balbino: Como é a sua relação com as outras escritoras da família a Mayra e a Renata Dias Gomes? Vocês trocam referencias literárias?

Denise Emmer: Os objetivos e estilos são diferentes.

(Denise, ainda bebê, com seus pais)


Jéfferson Balbino: Geralmente, o Dias Gomes e a Janete Clair estavam sempre juntos no ar, ele no horário das dez e ela no horário das oito. Como era nessa época em sua casa em que você e seus irmãos tinham que dividir a atenção de seus pais com as novelas que eles escreviam?

Denise Emmer: Tínhamos que dividir porque era o trabalho deles. Acredito até que outras profissões afastem mais as famílias. Eles trabalhavam em casa e nos davam toda a assistência e carinho. Nós, eu e meus irmãos, é que os atrapalhávamos com nossa música incessante e alta. O Guilherme tocava trompete na sala. Alfredo, bateria no sótão e eu... cantava no telhado.

 

Jéfferson Balbino: Você que é muito versátil, afinal, é escritora, poeta, cantora, compositora, violoncelista e ainda escaladora de montanhas nas horas vagas. Como você faz pra conciliar tudo isso? E, qual desses seus talentos é seu preferido?

Denise Emmer: Que pergunta difícil! Já disse que sou muitas Denises. Pois então, tento conciliar deixando vir uma de cada vez porque, caso contrário, eu ficaria muito cansada. Já pensou em 24 horas, escrever, cantar, compor, tocar violoncelo e fazer uma escalada! Teria que ser uma penta atleta!

 

Jéfferson Balbino: Você assiste TV? O que gosta de assistir?

Denise Emmer: Se der tempo, assisto aos programas do GNT que falam de beleza, moda e documentários. Adoro o SuperBonita. Pesco um bom filme nos canais telecine. Os concertos de música clássica da TV Senado. Notícias. Quando tem uma novela interessante eu tento acompanhar.  E o Discovery e History Channel, claro.

 

Jéfferson Balbino: Eu finalizo todas as entrevistas perguntando ao entrevistado, qual foi à melhor novela que ele já assistiu e praticamente todos citam “Roque Santeiro”, que foi escrita por seu pai. E, pra você: Qual foi a melhor novela que já assistiu?

Denise Emmer: “Saramandaia”, de Dias Gomes, pela magia, encadeamento de metáforas que, na época da ditadura militar, era uma grande força de expressar a resistência, além do surrealismo poético surpreendente. E “Irmãos Coragem”, de Janete Clair, pelo pioneirismo do texto e demonstração de uma força feminina quando a sociedade era muito mais dos homens do que é hoje. Porém, o encantamento da história de minha mãe veio provar ao que ela veio.

 

Jéfferson Balbino: Denise, muito obrigado por essa entrevista. Parabéns pela belíssima carreira e muito sucesso... Beijos!

Denise Emmer: Beijos.

 

 

 



Escrito por jéfferson às 17h48
- Comente aqui


Deixe o seu comentário.





Entrevista Especial - NO MUNDO DOS FAMOSOS

 

 

OUTRAS ENTREVISTAS 

 

Pra você que perdeu as outras entrevistas realizadas por mim aqui NO MUNDO DOS FAMOSOS, aí vai o link de cada uma pra você poder ler, ou reler novamente. Clique em cima do nome do entrevistado para ler a Entrevista Especial realizada.


1 - NILSON XAVIER (escritor)

2 - MARGARETH BOURY (autora de novelas)

3 - REYNALDO BOURY (diretor de TV)

4 - BABI XAVIER (atriz/apresentadora)

5 - NÉLIO JÚNIOR (jornalista/repórter de TV)

6 - MARCÍLIO MORAES (autor de novelas)

7 - RICARDO LINHARES (autor de novelas)

8 - ANA MARIA MORETZSOHN (autora de novelas)

9 - DUCA RACHID (autora de novelas)

10 - ADA CHASELIOV (atriz)

11 - MAYRA DIAS GOMES (escritora)

12 - THELMA GUEDES (autora de novelas)

13 – ANDRÉ REBELLO (ator)

14 – KADU MOLITERNO (ator)

15 - MAURICIO MACHADO (ator)

16 - LAURO CÉSAR MUNIZ (autor de novelas)

17 - STELLA FREITAS (atriz)

18 - ALCIDES NOGUEIRA (autor de novelas)

19 - EDWIN LUISI (ator)

20 - MAURO ALENCAR (Doutor em Teledramaturgia/escritor)

21 - SOLANGE CASTRO NEVES (autora de novelas)

22 - WHALTER NEGRÃO (autor de novelas)

23 - BÁRBARA BRUNO (atriz)

24 - RENATA DIAS GOMES (autora de novelas)

25 - MATEUS CARRIERI (ator)

26 - LETÍCIA DORNELLES (autora de novelas)

27 - TAMARA TAXMAN (atriz)

28 - AIMAR LABAKI (dramaturgo/autor de novelas)

29 - LUCÉLIA SANTOS (atriz)

30 - FÁBIO FABRÍCIO FABRETTI (escritor)

31 - EDUARDO NASSIFE (escritor)

32 - ROSANE GOFMAN (atriz)

33 - CRISTIANNE FRIDMANN (autora de novellas)

34 - RODRIGO PHAVANELLO (ator)

35 - YOYA WURSCH (autora de novelas/roteirista)

36 - INGRA LIBERATO (atriz)

37 - JOÃO CAMARGO (ator)

38 - GILBERTO BRAGA (autor de novelas)

39 - DÉO GARCEZ (ator)

40 - PATRÍCIA MORETZSOHN (autora de novelas)

41 - BETH GOULART (atriz)

42 - MANOEL CARLOS (autor de novelas)

43 - VANESSA GOULARTT (atriz)

44 - DENISE EMMER (escritora)



Escrito por jéfferson às 17h20
- Comente aqui


Deixe o seu comentário.





Próxima Entrevista: MARIA ADELAIDE AMARAL

DIA 13

Eu entrevisto MARIA ADELAIDE AMARAL, a autora da novela "Ti Ti Ti"

NÃO PERCA!



Escrito por jéfferson às 17h12
- Comente aqui


Deixe o seu comentário.



Histórico:

- 26/01/2014 a 01/02/2014
- 19/01/2014 a 25/01/2014
- 12/01/2014 a 18/01/2014
- 05/01/2014 a 11/01/2014
- 29/12/2013 a 04/01/2014
- 22/12/2013 a 28/12/2013
- 08/12/2013 a 14/12/2013
- 01/12/2013 a 07/12/2013
- 24/11/2013 a 30/11/2013
- 17/11/2013 a 23/11/2013
- 10/11/2013 a 16/11/2013
- 03/11/2013 a 09/11/2013
- 27/10/2013 a 02/11/2013
- 20/10/2013 a 26/10/2013
- 13/10/2013 a 19/10/2013
- 06/10/2013 a 12/10/2013
- 29/09/2013 a 05/10/2013
- 22/09/2013 a 28/09/2013
- 15/09/2013 a 21/09/2013
- 08/09/2013 a 14/09/2013
- 01/09/2013 a 07/09/2013
- 25/08/2013 a 31/08/2013
- 18/08/2013 a 24/08/2013
- 11/08/2013 a 17/08/2013
- 04/08/2013 a 10/08/2013
- 28/07/2013 a 03/08/2013
- 21/07/2013 a 27/07/2013
- 14/07/2013 a 20/07/2013
- 07/07/2013 a 13/07/2013
- 23/06/2013 a 29/06/2013
- 16/06/2013 a 22/06/2013
- 09/06/2013 a 15/06/2013
- 02/06/2013 a 08/06/2013
- 19/05/2013 a 25/05/2013
- 12/05/2013 a 18/05/2013
- 05/05/2013 a 11/05/2013
- 28/04/2013 a 04/05/2013
- 21/04/2013 a 27/04/2013
- 14/04/2013 a 20/04/2013
- 07/04/2013 a 13/04/2013
- 31/03/2013 a 06/04/2013
- 24/03/2013 a 30/03/2013
- 17/03/2013 a 23/03/2013
- 10/03/2013 a 16/03/2013
- 24/02/2013 a 02/03/2013
- 17/02/2013 a 23/02/2013
- 10/02/2013 a 16/02/2013
- 27/01/2013 a 02/02/2013
- 20/01/2013 a 26/01/2013
- 06/01/2013 a 12/01/2013
- 23/12/2012 a 29/12/2012
- 09/12/2012 a 15/12/2012
- 02/12/2012 a 08/12/2012
- 11/11/2012 a 17/11/2012
- 04/11/2012 a 10/11/2012
- 28/10/2012 a 03/11/2012
- 21/10/2012 a 27/10/2012
- 14/10/2012 a 20/10/2012
- 07/10/2012 a 13/10/2012
- 23/09/2012 a 29/09/2012
- 26/08/2012 a 01/09/2012
- 19/08/2012 a 25/08/2012
- 22/07/2012 a 28/07/2012
- 15/07/2012 a 21/07/2012
- 01/07/2012 a 07/07/2012
- 24/06/2012 a 30/06/2012
- 17/06/2012 a 23/06/2012
- 10/06/2012 a 16/06/2012
- 03/06/2012 a 09/06/2012
- 27/05/2012 a 02/06/2012
- 20/05/2012 a 26/05/2012
- 13/05/2012 a 19/05/2012
- 06/05/2012 a 12/05/2012
- 29/04/2012 a 05/05/2012
- 22/04/2012 a 28/04/2012
- 08/04/2012 a 14/04/2012
- 01/04/2012 a 07/04/2012
- 25/03/2012 a 31/03/2012
- 18/03/2012 a 24/03/2012
- 11/03/2012 a 17/03/2012
- 04/03/2012 a 10/03/2012
- 26/02/2012 a 03/03/2012
- 19/02/2012 a 25/02/2012
- 12/02/2012 a 18/02/2012
- 05/02/2012 a 11/02/2012
- 29/01/2012 a 04/02/2012
- 22/01/2012 a 28/01/2012
- 15/01/2012 a 21/01/2012
- 08/01/2012 a 14/01/2012
- 25/12/2011 a 31/12/2011
- 18/12/2011 a 24/12/2011
- 11/12/2011 a 17/12/2011
- 04/12/2011 a 10/12/2011
- 27/11/2011 a 03/12/2011
- 20/11/2011 a 26/11/2011
- 13/11/2011 a 19/11/2011
- 06/11/2011 a 12/11/2011
- 30/10/2011 a 05/11/2011
- 23/10/2011 a 29/10/2011
- 16/10/2011 a 22/10/2011
- 02/10/2011 a 08/10/2011
- 25/09/2011 a 01/10/2011
- 18/09/2011 a 24/09/2011
- 11/09/2011 a 17/09/2011
- 04/09/2011 a 10/09/2011
- 28/08/2011 a 03/09/2011
- 21/08/2011 a 27/08/2011
- 14/08/2011 a 20/08/2011
- 07/08/2011 a 13/08/2011
- 26/06/2011 a 02/07/2011
- 12/06/2011 a 18/06/2011
- 05/06/2011 a 11/06/2011
- 22/05/2011 a 28/05/2011
- 08/05/2011 a 14/05/2011
- 24/04/2011 a 30/04/2011
- 17/04/2011 a 23/04/2011
- 10/04/2011 a 16/04/2011
- 03/04/2011 a 09/04/2011
- 27/03/2011 a 02/04/2011
- 20/03/2011 a 26/03/2011
- 13/03/2011 a 19/03/2011
- 06/03/2011 a 12/03/2011
- 27/02/2011 a 05/03/2011
- 13/02/2011 a 19/02/2011
- 06/02/2011 a 12/02/2011
- 30/01/2011 a 05/02/2011
- 23/01/2011 a 29/01/2011
- 16/01/2011 a 22/01/2011
- 09/01/2011 a 15/01/2011
- 02/01/2011 a 08/01/2011
- 26/12/2010 a 01/01/2011
- 19/12/2010 a 25/12/2010
- 12/12/2010 a 18/12/2010
- 05/12/2010 a 11/12/2010
- 28/11/2010 a 04/12/2010